d35f7a4d-1578-4728-9b75-1636c9fde586

Supercafé tolerante à seca recebe o nome de “Marilândia ES8143″

Clique aqui para Imprimir
Hoje foi um dia muito importante para a cafeicultura nacional. O Incaper junto com o Governo do Estado do Espírito Santo e a Prefeitura de Marilândia realizaram na Fazenda Experimental do Incaper de Marilândia o lançamento de uma nova variedade de café conilon mais resistente à falta de água.

Foram mais de 30 anos de estudos até chegar à nova variedade que se chama “Marilândia ES8143”, em homenagem à cidade espírito-santense que se tornou a capital do café. O resultado final foi obtido após a análise de mil diferentes plantas em três municípios que representam a diversidade dos relevos do Estado: Marilândia, Sooretama e Cachoeiro de Itapemirim.

A solenidade reuniu autoridades e também pesquisadores, que palestraram sobre o assunto. O evento teve inicio as 08:30 h, com a recepção e cadastramento dos participantes. As 9:30 h começaram as palestras. A primeira foi ministrada pelo Coordenador Estadual do Programa Estadual de Cafeicultura e pesquisador do Incaper,  Romário Gava Ferrão. Em seguida a palestra foi ministrada pelo também pesquisador do Incaper Paulo Sergio Volpi que falou sobre “Jardim Clonal Superandensado de café conilon”.

De acordo com Romário Gava Ferrão, o processo gerou uma variedade formada por 12 clones com tolerância à seca. Comparada às plantas existentes, a “Marilândia ES8143” é resistente a temperaturas até 3º C mais elevadas e a aproximadamente 50% menos precipitações. E ainda terá produção aproximada 17% maior que as variedades já existentes, sob as mesmas condições climáticas.

“A planta tem alta produtividade em condição de seca ou com irrigação e estabilidade de produção diferente do que ocorre nas variedades que temos – onde a colheita de um ano é maior que a do outro. Além disso, tem tolerância à doença da ferrugem, qualidade de bebida superior e bom rendimento de beneficiamento de pila. Ela é recomendada para todos os municípios capixabas”, explica Ferrão.

De acordo com Paulo Volpi, antes o processo de produção da muda até a primeira colheita demorava cinco anos. “Conseguimos reduzir para no máximo três anos e meio. Era preciso esperar dois anos para retirar a estaca e começar a fazer muda. Agora serão apenas sete meses”.

Durante a manhã estiveram presentes as seguintes autoridades: Governador Paulo Hartung Prefeito Geder Camata, Vice-prefeito Jovander Comério, Secretário de Estado de Agricultura, Octaciono Neto, Secretário de Estado de Meio Ambiente, Aladim Cerquera, Mauro Rosoni Junior, Diretor Técnico do Incaper, Deputadas Estaduais, Raquel Lessa e Janete de Sá, Deputados Estaduais Erick Musso e jamir Malini, Deputados Federais, Paulo Foletto, Lelo Coimbra, Evair de Melo e Carlos Manato. Vereadores municipais, Beto Parteli, Evandro Vermelho, Cimá Fubá, Renato Meneghini, Douglas Badiani e Paulo Costa, Senador Ricardo Ferraço, Diretor do DER-ES, Enio Bérgoli, Prefeitos de diversos municípios do Espírito Santo, Representantes do Incaper, Secretários Municipais, além de outras autoridades.

O prefeito geder Camata agradeceu ao Incaper e ao governo do estado por levarem o nome de Marilândia aos maiores centros de pesquisa de café do Brasil.

“Essa semana comemoramos os 61 anos de existência do Incaper que durante essa trajetória, contribuiu significativamente para o desenvolvimento da agropecuária no Espírito Santo. E aqui, temos o orgulho de ter desde 1985 a principal base de pesquisa e transferência de tecnologia em café conilon no Espírito Santo. Reconhecido ainda como 1º centro de pesquisa de café Conilon (Coffea canephora) do país. E hoje queremos agradecer a todos os pesquisadores dessa autarquia por escreverem o nome do município na história da cafeicultura mundial, lançando oficialmente a cultivar Marilândia ES8143”, falou Camata.

Em agricultores, autoridades e visitantes foram conhecer o Jardim Clonal superadensado da cultivar Marilândia ES8143, onde estavam disponíveis kits com a muda da cultivar. Após o almoço, os presentes estão realizando uma caminhada tecnológica para visitar os trabalhos de pesquisa com café conilon desenvolvidos pelo Incaper.

Sobre a variação Marilândia ES8143`

A união de duas tecnologias inéditas e de origem capixaba promete revolucionar o cultivo do café conilon no Brasil. A primeira é uma planta mais resistente à falta de água e a segunda vem em conjunto com ela: se trata de uma técnica que faz a multiplicação dessa nova variedade de café ser até 50% mais rápida que as já existentes.

Ambas estarão a serviço do produtor, mas também farão a diferença para os apaixonados pelo famoso cafezinho. A associação desses dois melhoramentos resultará em uma colheita com pouca variação anual, mesmo em períodos de estiagem, como a seca que o Estado passa desde 2013. Com isso, o café produzido terá melhor qualidade.

Jardim clonal

Para retirar o material para fazer as mudas, as estacas, os viveiristas precisam, na semana seguinte ao lançamento – que aconteceu hoje –, se cadastrar nos escritórios do Incaper. Além desses benefícios, a planta produzida será mais vigorosa, com mais êxito na sua produção independente do período do ano.

A previsão é de que o evento termine em torno das 16 horas. Mais de 1,5 mil pessoas compareceram.